Ela

Eu ensaiei aquele momento na frente do espelho durante três dias. Preparei discurso, mudei discurso, desisti de discurso. Fiz um belíssimo arranjo de flores para enfeitar a mesa do almoço. Gastei uma fortuna com comida pronta, vinhos e champanhe. Enfim, tudo preparado para contar a grande novidade. Seria o meu momento! O MEU momento!!
Na noite anterior ao almoço eu sonhei que era uma famosa estrela de cinema. Na verdade eu era a Rita Cadillac gravando Aluga-se Moças, mas no sonho eu tinha até camarim exclusivo e... enfim, eu era uma estrela. “Um presságio”, pensei.
Depois da sobremesa, as taças de campanhe seriam distribuídas e, diante da expressão de expectativa dos convidados, eu daria a notícia. Quando eu finalmente batesse no copo com a colherzinha (três vezes, como nos filmes) e fizesse o grande anúncio, todos iriam me abraçar e chorar e dizer que eu seria a melhor mãe do mundo.
Na hora certa, chamei meu namorado na cozinha. “Você distribui as taças enquanto eu vou fazer xixi”. “Pode deixar!”
Sentei no vaso sanitário e relaxei. Eu estava a poucos segundos da glória. Da sala, veio a frase que soou como um alarme de incêndio.
“Pra quê tudo isso?”, era a ansiedade da minha mãe detonando a bomba.
“É porque... porque... ELA TÁ GRÁVIDA!!!”
............
Meu mundo caiu.
Quando abri a porta do banheiro, a cena: meu pai chacoalhando a garrafa de champanhe e minha mãe agarrada ao pescoço do meu namorado, chorando. Quando me viu entrando na sala, ela veio em minha direção para me abraçar.
Nesse momento meu pai conseguiu estourar a champanhe. E como numa comédia dos Trapalhões, a rolha soltou-se da garrafa para ir direto para o olho do meu irmão.
“Tô cego!”. Minha mãe pegou a bolsa e declarou: “Vamos te levar pro hospital, meu filho, calma...”
Diante daquela confusão eu não sabia se socorria meu irmão, se chorava ou se dava uma surra no meu namorado. Deixei a primeira tarefa para os meus pais, que já se preparavam para sair. Chorar iria gastar as energias que eu decidi poupar para executar a minha vingança. O meu namorado me paga! Ah, ele me PAGA!