Ela

O prazo de validade da minha raiva venceu no momento em que vi aquela cena na TV. Uma linda história de amor que me fez chorar muito e pensar no sentido da vida. O protagonista era uma inocente criança que, ao tentar superar um importante desafio, passa por um grave acidente e recebe todo o apoio que só sua mãe poderia dar. A pessoa que mais o ama e que vai protegê-lo para o resto de sua vida. Como é possível emocionar tanto em apenas trinta segundos? Os publicitários são pessoas iluminadas e um comercial de anti-séptico, mostrando um menino que cai da bicicleta e recebe os primeiros-socorros de sua zelosa mãe, mudou a minha vida.
Bem, pensando agora, com a cabeça mais fria, eu acho que a gravidez tem mexido um pouco comigo. O garoto nem ficou tão machucado, não precisou de pontos nem nada, só duas borrifadas do tal produto num minúsculo arranhão no joelho... Mas o importante é que tudo acabou bem, assim como deveria terminar o castigo do meu namorado. O pai do meu filho. O homem da minha vida, que tanto me ama, com quem eu vou passar o resto dos meus dias e... Santo Deus! Eu preciso parar de chorar a cada duas horas ou vou acabar desidratada.
"Concordo. Já tá na hora de acabar com essa briguinha. Mas não custa nada dar um gran finale pra punição que, convenhamos, ele mereceu". A minha irmã sempre foi tão apaziguadora... A primeira providência foi ligar para a mãe dele e dar a notícia da gravidez. Ela não pareceu tão entusiasmada quanto minha mãe, mas ficou encarregada de espalhar a novidade para a família do meu namorado antes que ele o faça antes de mim. De novo.
Sentei no sofá em frente àquelas bolachas reprodutoras de chiados e comecei a planejar a vingança. "Tenho que tocar no ponto fraco dele". E fez-se a luz. Foi cansativo trocar todos os discos de suas respectivas capas, mas eu posso dizer que foi também uma agradável e produtiva tarde de trabalho. Em determinado momento, pensei que pudesse estar cometendo um ato extremo de maldade, mas foram apenas dois segundos e meio de reflexão. Meu namorado passou algumas horas desfazendo a confusão, o que me deu tempo de ler vários contos eróticos para apagar de vez a mágoa causada naquela noite no jantar.
O resto da semana foi maravilhoso. Fomos ao cinema feito dois namoradinhos adolescentes, jantamos na casa da Solange ontem e lá surgiu a idéia de passarmos o fim de semana em Ilhabela. O Jair e a Solange já nos chamaram várias vezes para conhecer uma pousada, acho que de um primo do ex-chefe do Jair - ou ex-chefe do primo, não lembro direito - e nós finalmente resolvemos aceitar o convite. Eu tenho algumas recordações de Ilhabela, onde passei uma semana durante a minha infância. Ou melhor, duas recordações: uma boa e outra ruim. Uma coruja entrou pela janela da sala enquanto assistíamos à novela, deixando em pânico as mulheres da família. E trezentas dúzias de borrachudos nos atacavam todo final de tarde, o que faz da primeira a boa recordação da viagem.